IMG_4807_edited_edited.jpg

ARQUITECTURA

Um "Museu" intacto de uma época e de um estilo

A cidade do Lubango, foi em termos arquitectónicos e de traçado urbanístico, uma das mais evoluídas e modernas cidades de Angola na sua concepção estética e funcional.

Apesar de parte deste espólio estar localizado na área urbana do Lubango, existem inúmeros exemplos de interesse cultural e histórico espalhados pelos 14 municípios da Huíla, com realce para edifícios de cariz religioso e civil.

  A partir do início da década de 30, acompanhando o crescimento da cidade, foram edificados inúmeros equipamentos públicos de referência, que acabaram por condicionar o desenvolvimento urbano.

 Se no início se observava a coexistência entre os estilos arquitectónicos anteriores e a introdução da estética designada por Arquitectura do Estado Novo, a partir da década de 1950 a experimentação de feição moderna destacou se, transformando a imagem global da cidade.

  Como exemplo, o edifício que albergou o Colégio Paula Frassineti, construído no final da década de 40, destacando-se já alguns elementos representativos de uma arquitectura de transição art déco, para um estilo modernista. De referir ainda o emblemático Cinema Arco-Íris, ou o Grande Hotel da Huíla, alguns dos símbolos da prosperidade e desenvolvimento da cidade nas décadas de 50 e 60.

 Destaque para o conjunto de edifícios e monumentos urbanos da autoria do arquitecto Frederico Ludovice, que marca de forma indelével a arquitectura urbana da cidade capital.

  Implantada nas outrora terras de «Öhamba Caluvango», o Lubango é o palco dum imponente anfiteatro formado pelo topo das montanhas, onde pontifica a estátua do Cristo Rei.

  Um testemunho histórico duma arquitectura modernista, de edifícios majestosos, amplos e carregados de simbolismos inerentes à época da sua concepção.

  A cidade capital da Huíla é em consequência deste especial e raro espólio arquitectónico, um «Museu Intacto» duma época e dum estilo, Não apenas os imponentes edifícios públicos e religiosos , ou as linhas leves e musicais de Ludovice, mas também a geometria implacável do anónimo desenhador civil, adquirem nesta Nova Lubango o estatuto de «testemunho histórico», constituindo assim um activo turístico raro e sui geniris, no qual o executivo local pretende apostar na reabilitação, no sentido de, para além do aspecto funcional, possa constituir também um importante atractivo cultural e turístico.

  Estes e muitos outros equipamentos são parte deste valioso espólio arquitectónico , alguns, classificados já como património nacional, outros património provincial e uma extensa lista para classificação.

  A Classificação e Conservação deste património é uma prioridade das entidades competentes, transformando-o assim num valioso activo turístico.

Arquitecto

Frederico Ludovice