Capelinha da Nossa Senhora do Monte, Lubango

CAPELINHA DA NOSSA SENHORA DO MONTE

Capelinha da Nossa Senhora do Monte, Lubango
Capelinha da Nossa Senhora do Monte, Lubango
Capelinha da Nossa Senhora do Monte, Lubango

A Capela da Nossa Senhora do Monte é a par da Estátua do Cristo Rei, os grandes exilíbris da cidade do Lubango.

Localizada num dos topos da Serra da Chela, a Capela da Nossa Senhora do Monte é para além de um santuário de peregrinação religiosa que se reveste de grande simbolismo e importância para a comunidade católica, também um importante activo turístico e histórico.

O seu processo de construção está estreitamente associada ao objectivo colonial em curso na época pois, a mesma servia para consolidar a fé católica no então distrito da Huíla entre os nativos e, entre os portugueses (principalmente madeirenses) implicados no processo colonial.

A sua implantação geográfica, está também relacionada com um projecto inicial de construção dos Caminhos de Ferro de Moçâmedes que, no sentido de evitar o centro da cidade, devia circundar a cintura serrana. Depois de avançadas as obras, as dificuldades inerentes à construção de uma ponte, ceifou muitas vidas entre operários, levando os CFM a abandonar definitivamente a construção da ferrovia neste traçado. Foi então que as autoridades da altura se decidiram pela construção de um santuário para simbolizar a Nossa Senhora (mãe de Jesus) e, cumulativamente para honrar as almas perdidas durante a tentativa de construção do referido viaduto.

A construção da capela pode ser analisada em dois momentos, uma primeira edificação primitiva, que ainda inacabada, foi inaugurada a 15 de Agosto de 1902, com a celebração de uma missa campal, a apadrinhar essa homilía estava uma imagem de Nossa Senhora da Conceição, oferecida por um colono de nome Venâncio Ferreira Rodrigues que a adquiriu na cidade portuguesa do Porto, em cumprimento a uma promessa.

Em nome do Bispo de Angola e do Congo, o pároco local abençoava a conclusão da obra em 14 de Agosto de 1903. A partir desta data, a capela passou a ser local de Romaria, tornando-se tradição. Uma década e meia depois, João Henrique de Azevedo idealizou e projectou uma capela mais ampla com uma maior visibilidade a partir de toda a então vila de Sá da Bandeira. Foi inaugurada em 1921.

A partir do início da década de trinta do século passado, a imagem passou a ser trazida ao parque, devido às dificuldades na deslocação à capela, inerentes aos idosos, dando origem à actual Procissão das Velas, onde a mesma imagem, acompanhada por milhares de pessoas, percorre o trajecto entre a Capela e a Sé catedral do Lubango. Nossa Senhora do Monte.

Trata-se de um lugar mágico, carregado de espiritualidade, que nos leva à última fila de um gigantesco anfiteatro com o majestoso vale como cenário.